Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.6/5 (2104 votos)

ONLINE
1





Total de visitas: 477399

Hoarding ou Síndrome de Diógenes

Hoarding ou Síndrome de Diógenes

Tags:acúmulo de lixo, acúmulo de quinquilharias, acumulação compulsiva, acumular coisas inúteis, aflição, andarilhos, coleção obsessiva, colecionador de lixo, colecionadores, colecionar, colecionismo, conjunto de sintomas, depressão, Diógenes de Sinópe, dificuldade em fazer descarte de objetos inúteis, disposofia, guardar coisas, Hoarding, hooby, incapacidade de se livrar de objetos inúteis, mania de guardar objetos, mendigo, miséria senil, qualidade de vida, síndrome, Síndrome de Diógenes, Transtorno Obsessivo-compulsivo, valor afetivo

                                     0 Hoarding ou Síndrome de Diógenes

                                                                           

                           “Guardiache cosa fa schifo è che dovete”

                                                

                

                         “Quem guarda o que não presta, tem o que não precisa”

 

 

A princípio, não há nada de errado em se colecionar ou guardar objetos, a não ser que o acúmulo passe a ser tal que se torne algo inconveniente, impróprio e incomodo por apresentar problemas de espaço, de acesso, de organização e higiene às pessoas.

Colecionar pode ser uma atividade interessante, um hobby. Nesse tipo de atividade o objetivo a ser alcançado é o de ampliar suas coleções (selos, carros, canetas, etc.). Colecionadores se utilizam desta atividade para interagirem entre si e trocarem informações o objeto de seu interesse. É, também, uma forma prazerosa de competir e exibir publicamente e com orgulho seus espécimes raros. Neste caso, nada há de prejudicial, que possa necessitar da intervenção de especialistas do comportamento.

No entanto, quando em excesso, em exagero e descontrolado vira mania (mania de guardar objetos inúteis), e a prática do colecionismo passa a ser um sintoma de Transtorno mental associado ao transtorno do Obsessivo-compulsivo e à depressão.

Antropólogos dizem não haver vida, nem histórias, isentas de objetos. Objetos são elementos mais simbólicos do que funcionais. Eles são carregados de valor afetivo. Não se trata simplesmente de possuir coisas, mas principalmente de guardar as memórias que esses objetos representam. Daí a existência de museus, as coleções de selo, carros, moedas, e até de pilhas de revistas no canto da estante. Muitos dos acervos de obras de arte expostas ao público resultam do colecionismo de pessoas abastadas.

Enquanto sintoma, o colecionismo refere-se a um padrão de comportamento caracterizado pelo acúmulo de objetos com questionável valor utilitário ou material, associado à intensa dificuldade para fazer o descarte, resultando ao longo do tempo, em prejuízo da qualidade de vida do indivíduo.

O transtorno não deve ser diagnosticado como tal se os itens são colecionados exclusivamente como hobby, ou se o comportamento não resultar em um ambiente doméstico bagunçado ou não causar sofrimento ou comprometimento significativos.

Quando identificado como sintomas ou síndrome (conjunto de sintomas) especialistas afirmam trata-se de uma perturbação definida por três características principais: coleção obsessiva de bens ou objetos que parecem inúteis para a maioria das pessoas, incapacidade de se livrar de qualquer um dos objetos ou bens recolhidos e um estado de aflição ou de perigo de falta permanente.

Nesses casos, a acumulação compulsiva — é também chamada de disposofobia e consiste na aquisição ou acumulo ilimitado de quinquilharias que já foram colocados no lixo. As pessoas que sofrem desta perturbação, na maioria idosa, (embora também acometa pessoas mais jovens, ou de bom nível econômico e intelectual) acumulam tudo o que podem para mais tarde (quem sabe?) solucionar uma “eventual emergência”. Além disso, são incapazes de descartar objetos ou bens mesmo quando eles são inúteis, perigosos ou insalubres. Essas pessoas perdem a noção de organização e higiene e a falta de noção em jogar fora coisas desnecessárias e grande apego por elas.

Em casos graves, o ambiente onde estas pessoas vivem, torna-se intransitável, entulhadas de lixo e sujeira, portas e janelas bloqueadas por objetos e papéis empilhados com riscos de incêndio e infestação de vermes, excrementos e detritos de animais de estimação.

A acumulação compulsiva ficou conhecida como Síndrome de Miséria Senil ou Síndrome de Diógenes, em referência ao filósofo grego, Diógenes de Sinope — que vivia como mendigo, dormia num barril e recolhia da rua inúmeros objetos sem valor. O acumulador compulsivo no seu extremo é, por vezes, apelidado de “colecionador de lixo”, uma vez que reúne objetos que produzem maus cheiros, atraindo insetos e roedores. Essas pessoas, também podem juntar livros, revistas, ferramentas, recipientes, metais, móveis, eletrodomésticos, entre outros materiais, correspondendo à imagem dos andarilhos que juntam todo o tipo de velharias.

Tal como a maior parte dos comportamentos obsessivos, a acumulação compulsiva começa de uma maneira lenta e desenvolve-se de uma forma progressiva. Quase nunca a solução é simples, isenta de conflitos, hesitação e recaídas. O apoio de especialistas e a orientação da família são fundamentais.

São criadas estratégias para iniciar o descarte, classificar o que deve ser mantido e o que pode ser vendido, reciclado, doado, ou jogado no lixo, sem hesitação. Define-se um limite para o quanto de cada item poderá ser mantido na casa, qual área deverá ser preservada para circulação e outros usos que não o armazenamento. O bloqueio do colecionismo é um projeto amplo, trabalhoso e vale cada minuto do esforço.

                                        Profa. Dra. Edna Paciência Vietta

                             Psicóloga Cognitivo-comportamental Ribeirão Preto