Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.6/5 (2104 votos)

ONLINE
2





Total de visitas: 477380

Nossos pensamentos afetam nossas emoções e comport

Nossos pensamentos afetam nossas emoções e comport

                                            

                            Nossos pensamentos afetam nossas emoções e comportamentos

O que pensamos influencia no que sentimos e conseqüentemente em nossos comportamentos. Assim, ter pensamentos mais adequados às situações traz como conseqüência emoções e ações mais eficazes. Diferentemente do que possa parecer nossos pensamentos definem nossas emoções e determinam nossos comportamentos. Há relação estreita entre o que se pensa, o que se sente, e a maneira como nos comportamos.

Você já parou para pensar quais são os pensamentos negativos que constantemente ocupam a sua mente? O que esses pensamentos querem te dizer? Você tem consciência de como isso atrapalha sua vida, sua saúde e seus relacionamentos?

Somos “bombardeados” por centenas de pensamentos ao longo do dia. Estes pensamentos ocorrem de forma involuntária, muitas vezes rápida e na maioria das vezes automática (pois mal os percebemos) surgem espontaneamente, em fração de segundos e podem ser verdadeiros ou falsos, geralmente se apresentam disfuncionais, na medida em que, muitas vezes, nem nos damos conta de sua existência, percebendo apenas a reação emocional dele decorrente.

Pensamentos automáticos podem ser palavras, imagens ou recordações e brotam em nossa mente o tempo todo e podem alterar nosso humor e nossas reações. Estes pensamentos são incômodos, infundados e contraproducentes. Exemplo Pensamentos negativos a respeito de si mesmo: “Eu sou incapaz” ou “Nada que faço dá certo”. Pensamentos negativos a respeito do mundo ou dos outros: “Minha vida não é boa” ou “Ninguém gosta de mim”, Pensamentos negativos a respeito do futuro: “Nunca serei alguém”, “Meu futuro é incerto e sem esperanças” ou “Não serei feliz”, “vão rir de mim”, etc. O perigo é que podemos assumir pensamentos automáticos como verdadeiros. Á boa noticia é que é possível usar a nossa mente consciente para julgar e avaliar tais impressões automáticas e concluir se vamos aceita-las ou rejeitá-las.

Os processos cognitivos (pensamentos), não devem ocorrer de forma tão automática. Antes de deixar um pensamento dominar a percepção do evento, deve ser considerado que um evento pode ter mais de uma interpretação.

Se seu pensamento for muito acelerado há maior risco de que a emoção decorrente de pensamento automático seja imediatamente transformada em ação sem o devido confronto com a realidade e, ai, então, se exteriorizar em comportamento irrefletido com impulsividade, agressividade, ofensas, ou outra atitude reprovada, como por exemplo uma atitude ante-social.

Quando procuramos perceber uma situação além daquela que percebemos automaticamente, questionando-a, ampliamos nosso modo de interpretar a situação ou suas causa e agimos com mais adequação, mais sobriedade, mais educação, mais simpatia. Ao aumentarmos as possibilidades alternativas das causas ou resultados daquele evento, sobre o qual pensamos automaticamente, temos como resultado ampliar nosso foco de visão, fazendo com que nossa percepção seja confrontada com a realidade. Admitindo outras possibilidades de interpretação dos fatos podemos ter uma diminuição na credibilidade do pensamento negativo (disfuncional), resultando numa intensidade menor da emoção ou desconforto resultante desse pensamento.

Os pensamentos automáticos são decorrentes de crenças centrais e intermediárias. As crenças centrais geralmente iniciam seu desenvolvimento na infância e são consideradas pelo indivíduo como “verdades absolutas”. São entendimentos sobre si, os outros e o mundo fundamentais e profundos que as pessoas comumente não os articulam, muito menos os questionam, mesmo que causem sofrimento e interpretações disfuncionais da realidade. As crenças intermediárias correspondem às regras, atitudes e suposições criadas pelo indivíduo a partir das crenças centrais. As crenças centrais e intermediárias surgem a partir da interação social do indivíduo com o meio. Esse processo começa nos primeiros estágios do desenvolvimento e fornece ao indivíduo uma “teoria” coerente sobre o mundo para que ele possa se adaptar a realidade. Quando essas crenças não são funcionais acarretam em distorção da realidade e transtornos mentais. Não passa, por exemplo, pela mente da pessoa que acredita ser incompetente, que ela não entendeu o texto perfeitamente porque ele pode não estar claro o bastante. Que se ela não entendeu parte do texto, não significa que ela não entendeu nada ou que ela não tenha entendido o suficiente para o momento. Não passa pela sua mente que ela não precisa entender tudo perfeitamente.

Finalmente, pensamentos falsos ou negativos e igualmente pensamentos realistas ou positivos automáticos fazem parte da vida de todo ser humano. No entanto, pensamentos negativos (disfuncionais) recorrentes estão associados a alguns transtornos psicológicos como a depressão, transtorno obsessivo-compulsivo, fobia social, ansiedade generalizada, entre outros. O simples fato de termos pensamentos negativos, não conduz necessariamente a problemas psicológicos ou problemas pessoais.

                                                                     Profa. Dra. Edna Paciência Vietta

                                                      Psicóloga Cognitivo-comportamental Ribeirão Preto