Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.6/5 (2316 votos)

ONLINE
3





Total de visitas: 485564

Que idade teria se não soubesse a idade que tem?

Que idade teria se não soubesse a idade que tem?

 

                           

 

 Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem?

    O crescimento da população com mais de 60 anos tornou-se um fenômeno mundial, inclusive com idosos ultrapassando os 100 anos. Este crescimento demográfico se deve principalmente à diminuição da natalidade e à redução da mortalidade devido aos avanços tecnológicos da medicina que sem dúvida, é uma das maiores conquistas sociais do século XX. Em apenas quarenta anos, o número de idosos brasileiros quintuplicou, passando de 3 milhões em 1960 para 14 milhões em 2010, número esse que poderá alcançar 32 milhões em 2020, segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É possível que alcancemos o patamar aproximado dos 80 anos daqui mais uma década.

    Até 2025, segundo a OMS, o Brasil será o sexto país do mundo em número de idosos. Em todo o mundo, a proporção de pessoas com 60 anos ou mais está crescendo mais rapidamente que a de qualquer outra faixa etária. As representações sociais da velhice estão fortemente associadas às doenças, limitações, dependência, improdutividade, nostalgia, depressão, num mundo marcado pela exacerbação do narcisismo balizada no culto ao corpo, com ênfase no desempenho, bem como, a busca incessante de prazer e satisfação o hedonismo. O corpo como objeto deve ser esculpido a qualquer custo mediante recursos como: musculação, cirurgias plástica, próteses, implantes de silicone, regimes e dietas balanceadas, suplementos vitamínicos, anabolizantes, rejuvenescimento, etc.

    Em virtude deste contexto, o imaginário social antes associado a perdas que levam a ruptura e ao isolamento, não faz mais sentido. A percepção de velhice como uma fase decadente e infeliz não é mais hegemônica na contemporaneidade.

    O advento da modernidade, que colocou a ciência como reveladora da verdade, alterou o próprio entendimento do funcionamento do corpo, alargando a expectativa de vida das pessoas, e a possibilidade de aproveitar a vida por mais tempo. Esse desenvolvimento da ciência alterou a percepção da idade da velhice’, já que agora, existe a possibilidade de se viver mais e melhor.

    Atualmente o idoso está passando por processos de transformações, tornando-se mais vaidoso, preocupado com a saúde e hábitos saudáveis. A constituição dessa nova imagem não é realizada ao acaso e sem propósito. Uma indústria inteiramente voltada para este gênero vem sendo montada e expandida com a ajuda do apelo midiático e a adoção de um novo estilo de vida para os idosos.

    Na atualidade, novos estilos estão sendo propostos associados à idéia de que “só é velho quem quer”. É preciso ficar atento com exageros e distorções.

    O mundo mudou, porém as situações físicas, psicológicas e comportamentais dos idosos, os recursos para manter a saúde e qualidade de vida, não acompanharam essa evolução, não sendo, ainda condição acessível a todos. No entanto, manter a autonomia e independência durante o processo de envelhecimento é fator fundamental para a sobrevivência de indivíduos nessa faixa etária. É, também, recomendado que o idoso seja estimulado a acompanhar a evolução. Para isso é preciso trabalhar a flexibilidade e resistência à modernidade, sem exageros é claro.

    Os fatores psicológicos, que incluem a inteligência e capacidade cognitiva (por exemplo, a capacidade de resolver problemas e de se adaptar a mudanças e perdas), são indícios fortes de envelhecimento ativo e longevidade.

    Durante o processo de envelhecimento normal, algumas capacidades cognitivas (inclusive a rapidez de aprendizagem e memória) diminuem, naturalmente, com a idade. Entretanto, essas perdas podem ser compensadas por ganhos em sabedoria, conhecimento e experiência. Freqüentemente, o declínio no funcionamento cognitivo é provocado pelo desuso (falta de prática), doenças (como depressão), fatores comportamentais (como consumo de álcool e medicamentos), fatores psicológicos (por exemplo, falta de motivação, de confiança e baixas expectativas), e fatores sociais (como a - solidão e o isolamento), mais do que o envelhecimento em si.

    As estatísticas alertam para uma alteração importante no perfil da população brasileira e conseqüentemente do consumidor brasileiro, aumentando com isso o interesse do mercado por essa faixa da população. É lógico que se do ponto de vista do indivíduo, que vai viver mais deva ser comemorada, no entanto, não podemos ignorar que o fenômeno tem suas implicações sociais. Este é um desafio que diz respeito a toda coletividade.

                                             Profa. Dra. Edna Paciência Vietta

                                    Psicóloga Cognitivo-comportamental Ribeirão Preto